Menu

sábado, 22 de setembro de 2012

Líder muçulmano rasga Bíblia em protestos contra polêmico filme “A Inocência dos Muçulmanos”

Líder muçulmano rasga Bíblia em protestos contra polêmico filme “A Inocência dos Muçulmanos”
A onda de protestos nos países muçulmanos contra o filme “A Inocência dos Muçulmanos”, que fala sobre Maomé, figura importante do islamismo, gerou uma manifestação específica contra o cristianismo.
O líder muçulmano egípcio Abu Islam atacou o cristianismo segurando um exemplar do Alcorão durante os protestos: “Esse é o livro de verdade e de paz. O lugar certo para as palavras deste livro é sobre nossas cabeças, porque é a verdadeira inspiração”, afirmou, referindo-se ao livro sagrado do Islã. O clérigo complementou seu discurso, mostrando o livro cristão, que segurava na outra mão: “Este é o livro que aquele ‘cão’ Terry Jones acredita, assim como aqueles cristãos egípcios que vivem na América com ele. Hoje eu só posso destruí-lo”, afirmou pouco antes de rasgar a Bíblia, e complementou: “Da próxima vez, vou urinar sobre ela”, segundo informações da Missão Portas Abertas.
Já o pastor Terry Jones, conhecido por também destruir um exemplar do Alcorão, afirmou nos Estados Unidos que o filme criticado pelos muçulmanos não é ofensivo ao islamismo: “Fomos contatados pelo produtor do filme `Inocência dos Muçulmanos` para o ajudar a distribuir”, afirmou o polêmico pastor, que garantiu que a produção “não pretende insultar a comunidade muçulmana, mas revelar verdades sobre Maomé que possivelmente não são muito conhecidas”.
Jones pontuou ainda que “é muito claro que Deus não influenciou a Maomé na escrita do Corão”, e atacou o islamismo usando os protestos como ilustração de seu argumento: “A recente onda de violência e as mortes não são causadas pelo filme, não são causadas pelas atividades que temos desenvolvido e vamos continuar a desenvolver”, disse, afirmando que os atos “mais uma vez revelam a verdadeira natureza do Islã”, que segundo ele, “não tolera críticas a Maomé, ao Corão ou à Sharia”, observou, referindo-se à lei islâmica.
O procurador chefe do Egito, segundo informações do site Actualidad, irá pedir a prisão do pastor Terry Jones e do produtor do filme, Elia Basily, também conhecido como Nakoula Basseley. A publicação porém, não explica como o procurador pretende conseguir a detenção dos dois.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Nenhum comentário: