Menu

sábado, 6 de dezembro de 2014

Lição 10

AS SETENTA SEMANAS
Texto Áureo Dn. 9.24 – Leitura Bíblica 9.20-27



Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos a respeito das Setenta Semanas determinadas para o povo de Deus. Esse é um assunto bastante interessante, que desvela o futuro da nação judaica, e sua relação com a história da humanidade. Mas antes de conhecermos essas semanas, faz-se necessário refletir sobre a oração. A revelação das Setenta Semanas é resultado da oração do profeta, que demonstrou interesse em conhecer os desígnios de Deus.

1. A INTERCESSÃO DE DANIEL
Daniel não desprezava a oração, em 586 a. C., quando fora levado ao cativeiro babilônico, o profeta se dobrou diante do Senhor, orando ainda na adolescência, juntamente com seus amigos (Dn. 2.17,18). No capítulo 9 de Daniel, identificamos uma das orações mais importantes da Bíblia. Deus havia decretado que o período do cativeiro duraria setenta anos (Jr. 25.8-11; 29.10-14), o profeta percebeu dois anos antes que seria o momento de orar pela libertação da sua nação. Daniel é um exemplo para todo homem e mulher de Deus a fim de equilibrar o estudo bíblico com a oração. Alguns crentes se dedicam bastante à oração, não perdem esses trabalhos, mas se distanciam da escola dominical. Outros, não atentam para a oração, se afastam do altar, ainda que frequentem os estudos bíblicos. Esses extremos são perigosos, podem levar os cristãos ao intelectualismo ou emocionalismo. Atentemos, pois para a vida de oração do profeta Daniel, principalmente no que tange à intercessão. Ele se apressou em rogar a Deus pelo Seu povo, para que o Senhor revelasse os tempos determinados para Israel. A oração de Daniel tem características instrutivas para todo cristão. Ele adora a Deus, não busca apenas as mãos, mas sobretudo a face de Deus (Dn. 9.4). Nestes tempos essa é uma verdade que precisa ser reforçada. Nossas orações refletem nossos interesses, crentes egoístas fazem orações centradas no eu. O profeta sabe que Deus é misericordioso, por isso clama ao Senhor para que perdoe os pecados do povo (Dn. 9.9). Daniel faz uma confissão dos pecados da nação, destacando a transgressão da lei (Dn. 9.11). A oração de Daniel é motivo de estímulo para orar pelo arrependimento das pessoas deste país. É pouco provável que tenhamos uma nação evangélica, considerando que a fé é pessoal. Mas esperamos que as pessoas se convertam dos seus pecados, e que o arrependimento as aproxime de Deus.

2. A RESPOSTA À ORAÇÃO DE DANIEL
Deus responde a Daniel, mostrando o que haveria de acontecer com Seu povo. No capítulo 9 o profeta recebe do Senhor uma revelação das Setenta Semanas, mensagem que se encontra registrada em Dn. 9.20-27. A resposta vem por meio de um anjo (Dn. 9.21), o mensageiro de Deus, por nome de Gabriel. Inicialmente o mensageiro fala a respeito do Messias que viria no futuro, trazendo bênçãos para a nação (Dn. 9.24,25). Daniel é reconhecido como um homem amado no céu (Dn. 9.23), certamente por causa da sua vida piedosa. A revelação das Setenta Semanas começa com a descrição do Messias, o Ungido de Deus (Dn. 9.25). A obra do Messias também é ressaltada pelo anjo, que haveria de trazer a solução para o pecado (Dn. 9.24). Esse Messias, consoante ao que conhecemos hoje pela Bíblia, é o Senhor Jesus Cristo, nEle se cumpriram as profecias. Justamente como está registrado nos evangelhos, Ele foi rejeitado entre Seu povo (Dn. 9.26), levando-O à morte. Daniel também é esclarecido quando a destruição de Jerusalém (Dn. 9.26). Isso aconteceu várias vezes, em uma delas Vespasiano cercou a cidade, destruiu o templo e dispersou os judeus. Mas uma promessa de triunfo do Messias também consta na mensagem (Dn. 9.27). A vitória do Messias aconteceu na cruz, quando Cristo derramou o Seu sangue, para a remissão dos pecados (Mt. 26.28). Conforme enfatiza o autor da Epístola aos Hebreus, Ele foi sacrificado uma vez por todas (Hb. 7.27). Essa revelação também aponta para o anticristo, o pequeno chifre do capítulo 7 de Daniel. Esse é a assolação, o homem a quem Paulo denomina de o homem da iniquidade (II Ts. 2.8). Gabriel explica para Daniel que setenta semanas estão determinadas para Israel. Essas semanas podem ser divididas em três períodos de sete: um primeiro período de sete; o segundo período de sessenta e dois e o terceiro período que é a septuagésima. Assim, são 7 + 62 + 1 = 70.

3. O FUTURO DE ISRAEL REVELADO A DANIEL
As Setenta Semanas de anos de Daniel compreendem 69 semanas de anos / 7 anos em cada semana / 360 dias por ano, fazendo um total de 173.880 dias. Em 5 de março, 444 a. C., através do decreto de Artaxerxes para a reconstrução de Jerusalém(Ne. 2.1-8) x 173.880 dias = 30 de março, 33 d. C., quando acontece a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém (Lc. 19.28-40). Desse decreto até a entrada triunfal do Messias, totaliza 69 semanas de anos, sendo esse crucificado, encerrando o período determinado para Israel, e iniciando a era da igreja. Segundo alguns historiadores, o Messias teria sido tirado em 3 de abril de 33 d. C., e a cidade e o templo destruído em 6 de agosto de 70 d.C. A verificação desses tempos pode ser assim contabilizada: 444 a. C a 33 d. C. = 476 anos. Em seguida 476 anos x 365.2421989 dias = 173.885 dias, acrescentando 25 dias entre 5 de março (decreto de Artaxerxes) e 30 de março (a entrada triunfal do Messias, total de 173.880 dias. O fundamento para os anos de 360 dias é Dn. 9.27, e os 1.260 dias de Apocalipse 11.3 e 12.6. A expectação da igreja é pelo arrebatamento, que acontecerá repentinamente, sem sinais antecedentes. Depois do arrebatamento, após a metade da primeira semana, ou seja, três anos e meio, o anticristo se revelará, consoante ao que está revelado em Ap. 13, a besta perseguirá o povo de Israel, trazendo sua marca 666. Esse será o início da denominada Grande Tribulação, na qual o anticristo exigirá adoração, exigindo ser reconhecido como deus. Conforme identificamos no capítulo 19 de Apocalipse, Cristo virá em glória, como Rei dos reis e Senhor dos senhores, para pelejar contra a Besta, na batalha do Armagedom.

CONCLUSÃO
A igreja do Senhor não passará pela Semana Setenta, pois ela aguarda com esperança o arrebatamento (I Co. 15.51,51). Sabemos que nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, a trombeta soará, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro (I Ts. 4.13-17). Essa é uma mensagem de consolo, não temos motivo para desespero, o mundo teme o fim das coisas. Jesus disse que nós não deveríamos nos atribular, antes confiar na Sua palavra, pois ao Seu tempo, virá para buscar a Sua igreja, para estar junto dEle (Jo. 14.1).

BIBLIOGRAFIA
LAHAYE, R., HINDSON, E. (Orgs.) Enciclopédia popular de profecia bíblica. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
WEIRSBE, W. W. Be resolute: Daniel. David Cook: Ontario, 2008.

Nenhum comentário: